quinta-feira, 23 de março de 2017

DNA DE DEUS

Existe um inconformismo com a crescente banalização da vida, do ser humano e da natureza. Essa realidade abrange o mundo inteiro, de uma forma ou de outra, seja em meio a miséria ou da riqueza, porque é determinada pela ação de poucos indivíduos que, apossados do poder, determinam a ordem das coisas para todos aqueles que não pertencem à sua hostes.
Infelizmente, os simples humanos sem poder, somam a maioria.
As pessoas vivem, por isso, também em sua maioria, frustradas por seus inexpressivos resultados na busca pela felicidade e paz duradoura que tanto almejam para suas vidas.
Essa frustração, aliada ao inconformismo de se sentirem excluídas do acesso ao seu crescimento, gera a violência, a angústia e a dor que imperam atualmente na vida da humanidade. 
Interessante que esse clima desvairado é imposto, como já dito acima, por uma minoria, se comparado a essa humanidade de bilhões de pessoas esquecidas que busca incessantemente o bem, a solidariedade e a paz. 
A minoria que se considera ‘dona do pedaço’ e se arvora ao direito de fazer o que bem entende, em detrimento do bem comum está presente não só de uma maneira incisiva em nosso País, mas de maneira cada vez mais acintosa em quase todos os países. 
Constata-se por tais ocorrências pelo mundo, de maneira melancólica, de que criaturas do mesmo Criador se encontram tão distantes entre si, longe da compreensão de sua origem única e divinal. Origem que cria afinidade biológica e espiritual firmados em código misterioso.
Origem que torna todos os seres humanos irmãos! 
De longe, essa relação não é algo de religioso inventado, mas com certeza, algo de mistério cósmico e Divino que simplesmente é revelado, ao seu tempo. 
Mistério tão grandioso inerente a todos, mas relação íntima compreendida apenas pelos simples e pequeninos que exatamente formam a maioria sofrida da humanidade.
Quando se compreender claramente a dimensão dessa relação de humanidade irmanada já não seremos somente criaturas de Deus, mas verdadeiros filhos de Deus, agindo como irmãos. 
Da mesma maneira como se traz no corpo o DNA que identifica as origens biológicas, todos são vitalmente marcados, também, em espírito pelo DNA de Deus, de forma indelével. 
Não se trata, esse maravilhoso detalhe, de uma escolha pessoal de cada um, porque foi Ele quem escolheu primeiro cada um como filho. Assim, para interromper o ato contínuo de atitudes ruins na humanidade, tornando-a mais esperançosa, justa e feliz, basta a cada um assumir mais sua condição primorosa de filho de Deus, aceitá-Lo de forma acolhedora como o Pai Amoroso! 
J. R. Rubens