sexta-feira, 25 de agosto de 2017

ENTUSIASMO

Impossível não associar a palavra "entusiasmo" com a infância e a juventude. Crianças e jovens trazem brilho nos olhos, sorriso nos lábios e energia de ação, uma combinação divina, própria deles que são entusiasmados. Entusiasmo é um sopro de vida, como a própria palavra significa na sua origem grega: "sopro divino".
Quem é entusiasmado possui algo de divino, portanto, impregnado de jovialidade e alegria que atrasam no envelhecimento, em especial do espírito. Um milagre!
Quando as pessoas estiverem sem brilho de vida no olhar, envelhecidos na feição e afastados de tudo, algo deve estar errado. Estão precisando de auxílio para sentirem novamente esse sopro divino: o entusiasmo.
Quem possui entusiasmo supera as ações mais corriqueiras da vida, ignora as marcas do tempo, supera obstáculos, transforma o meio, vencendo desafio após desafio.
A pessoa entusiasmada acredita tanto em seus sonhos, que os torna realidade, transformando o etéreo em matéria utilizando-se de mistérios incompreensíveis que envolvem o universo. Mais ainda, o entusiasmado sempre confia na capacidade dos outros em sonhar com ela e, por isso mesmo, transforma as pessoas ao seu redor.
O entusiasmo, assim, provoca a união em busca de resultados e cria a cadeia de solidariedade diante da necessidade e, acima de tudo transforma.
É divino ver tantas pessoas, feridas profundamente em sua existência, conseguirem se levantar e sonhar, somente pela força do entusiasmo de outras que se doam!
O entusiasmo, o sopro divino, é contagiante tal como o riso de uma criança e eletrizante como a vivacidade dos jovens.
J. R. Rubens

terça-feira, 11 de julho de 2017

EDUCAR DIFERENTE

Certa professora de um colégio público, entusiasmada com a profissão que exerce há muitos anos manifestou, para minha surpresa, preocupação quanto à educação dos alunos, de uma maneira em geral.
Segundo ela, muitos colegas estão prestes a abandonar a profissão porque se acham incapazes de controlar o ímpeto dos alunos e, ao mesmo tempo, transmitir adequadamente o conteúdo do ensino. Permanecem ativos e dedicados apenas aqueles que realmente educam por amor, acreditando que a educação pode ser melhorada, mesmo nesse País que nada avança nesse sentido, porque vive atolado em crises políticas, financeiras e morais protagonizadas pelos seus 'maiores expoentes'.
Descreveu-me uma situação, quase de terror, que certos professores vivem em suas salas de aula, sempre pressionados e achacados pelo comportamento delinquente de uma expressiva parcela de alunos que atiçam seus companheiros a enfrentamentos, não só entre eles, mas até mesmo contra os professores que sofrem provocações e ameaças. Quando não são violentos, são criaturas apáticas e alienadas ao meio acadêmico, porquanto são dirigidos e aprisionados pelos apelos de jogos e aplicativos de seus celulares, peças inseparáveis de seus livros e cadernos.
É verdade! Hoje muitos professores estão abalados, ao mesmo tempo que desencantados pela arte do ensinar. Seus alunos já não parecem seres com vivacidade, mas figuras catatônicas e distantes da realidade.
Uma das razões por esse desencanto por parte dos docentes seja, talvez, aquela de tentar abraçarem a maravilhosa profissão apenas como um trabalho que lhes traga o sustento, apesar de muitos entenderem que a remuneração não é compatível com a magnitude do trabalho: educar!
Existe, porém, outra razão que esvazia a plenitude do 'ser professor', do 'ser mestre'.
Há poucos anos, os jovens tinham como fonte de informações somente a família, eis que careciam de tecnologia como rádio, tvs, internet, e celulares, etc...!
Eram impelidos, então, a buscarem nas escolas as informações necessárias para preencherem sua carência do saber, e as quais somente os mestres professores, depois dos pais, podiam transmitir.
O mundo mudou. Hoje o que mais se tem é informação. Os jovens têm acesso a todas elas, de maneira incontrolável, através dos pacotes globalizados, radicalmente livres, descarregados simultaneamente na web, nas comunidades virtuais e nas redes de comunicação.
Os jovens buscam, diferentemente do passado, não mais informações, eis que já as possuem em excesso, mas escolas e mestres que organizem e canalizem essa bagagem de conhecimentos sem controle, absorvidos avidamente através do Dr. Google e tantas outras denominações.
A rapidez, pela qual têm acessos a tão diversificada informação, confunde suas ideias e focos fazendo-os perder sua identidade e seus verdadeiros referenciais. Os jovens estão sedentos não em aprender, mas de alguém que lhes mostre um sentido para o farto material (bom e ruim) que já absorvem, todos os dias, através da tecnologia virtual. Precisam que alguém lhes resgate, em meio a tantas turbulências, e os façam novamente a crer na vida, nos valores sólidos, nas dimensões do caráter e na grandeza de cumprirem o papel de viver em sociedade e em função do coletivo.
Eles precisam hoje, de uma educação que lhes aguce o senso crítico, que lhes indique novamente a direção para um ideal verdadeiro, modifique a cultura gratuita e viciada que receberam do farto material jogado, em baciadas, na internet, nos meios de comunicação e até nas próprias escolas que, sem critério algum, ministram seus conteúdos programáticos porque são obrigadas a fazê-lo, numa quantidade de dias fixados nos anos letivos, simplesmente por cumprirem exigências regulamentadas.
Os jovens precisam mais. Precisam adquirir um senso crítico para analisarem, de forma diferente, o sentido das coisas temporais que os cercam, das instituições que os regem, das políticas que os envolvem, das ideologias que os seduzem e dos governos que os conduzem!
O mundo carece em nossos dias de uma ação mais efetiva, condizente com aquele pensamento cristão de evangelizar e que significa, no fundo, modificar culturas e pensamentos que conduzam à uma vida mais amorosa, justa e pacífica. O ensinar é algo semelhante. É por isso que, urgentemente, muitos aspectos da educação precisam ser revistos sob outra luz!
J. R. Rubens

domingo, 28 de maio de 2017

UM BALANÇO

Realizar um balanço para apurar os resultados.
É assim que se torna possível corrigir distorções e planejar as ações futuras. O sucesso depende dessa análise, sem maquiagem, de cada um dos detalhes administrativos, financeiros, e porque não, pessoais.
Cada um deve se propor a realizar um balanço de sua vida. 
Contabilizar o crescimento material é bom, mas não é o essencial. Se for considerado importante apenas o que foi acrescentado no patrimônio é sinal que o essencial está sendo relegado ao segundo plano. É, de fato, perigoso perder-se, ao longo da caminhada, o equilíbrio entre o ter e o ser.
A busca pelo ter não deve anular o ser, sob pena de sobrar apenas uma criatura alienada, insensível à própria vida, aos semelhantes e aos verdadeiros valores da vida!
Ser rico é contabilizar apenas crescimento material. Ser próspero é crescer antes de tudo como ser, via pela qual se acumula aquela ‘riqueza que a ferrugem não é capaz de corroer é a traça não come’.
J. Rubens Alves

quinta-feira, 23 de março de 2017

DNA DE DEUS

Existe um inconformismo com a crescente banalização da vida, do ser humano e da natureza. Essa realidade abrange o mundo inteiro, de uma forma ou de outra, seja em meio a miséria ou da riqueza, porque é determinada pela ação de poucos indivíduos que, apossados do poder, determinam a ordem das coisas para todos aqueles que não pertencem à sua hostes.
Infelizmente, os simples humanos sem poder, somam a maioria.
As pessoas vivem, por isso, também em sua maioria, frustradas por seus inexpressivos resultados na busca pela felicidade e paz duradoura que tanto almejam para suas vidas.
Essa frustração, aliada ao inconformismo de se sentirem excluídas do acesso ao seu crescimento, gera a violência, a angústia e a dor que imperam atualmente na vida da humanidade. 
Interessante que esse clima desvairado é imposto, como já dito acima, por uma minoria, se comparado a essa humanidade de bilhões de pessoas esquecidas que busca incessantemente o bem, a solidariedade e a paz. 
A minoria que se considera ‘dona do pedaço’ e se arvora ao direito de fazer o que bem entende, em detrimento do bem comum está presente não só de uma maneira incisiva em nosso País, mas de maneira cada vez mais acintosa em quase todos os países. 
Constata-se por tais ocorrências pelo mundo, de maneira melancólica, de que criaturas do mesmo Criador se encontram tão distantes entre si, longe da compreensão de sua origem única e divinal. Origem que cria afinidade biológica e espiritual firmados em código misterioso.
Origem que torna todos os seres humanos irmãos! 
De longe, essa relação não é algo de religioso inventado, mas com certeza, algo de mistério cósmico e Divino que simplesmente é revelado, ao seu tempo. 
Mistério tão grandioso inerente a todos, mas relação íntima compreendida apenas pelos simples e pequeninos que exatamente formam a maioria sofrida da humanidade.
Quando se compreender claramente a dimensão dessa relação de humanidade irmanada já não seremos somente criaturas de Deus, mas verdadeiros filhos de Deus, agindo como irmãos. 
Da mesma maneira como se traz no corpo o DNA que identifica as origens biológicas, todos são vitalmente marcados, também, em espírito pelo DNA de Deus, de forma indelével. 
Não se trata, esse maravilhoso detalhe, de uma escolha pessoal de cada um, porque foi Ele quem escolheu primeiro cada um como filho. Assim, para interromper o ato contínuo de atitudes ruins na humanidade, tornando-a mais esperançosa, justa e feliz, basta a cada um assumir mais sua condição primorosa de filho de Deus, aceitá-Lo de forma acolhedora como o Pai Amoroso! 
J. R. Rubens 

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

SOFRIMENTO E PERDA



Chocados! É assim que os seres humanos ficam diante de perdas, em especial, quando essas perdas dizem respeito a vidas, muitas de uma mesma família, ceifadas ora por atentados e guerras insanas, ora interrompidas por calamidades naturais. 
É assim, também, que ficam as pessoas sensatas diante das ações daqueles que se utilizando do poder saqueiam o bem comum de uma nação inteira, corrompendo e sendo corrompidos, sem o menor pudor.
Mesmo os adeptos do lema ‘eu me basto’ se sentem abalados diante de fatos que evidenciam a fragilidade humana diante da força da Natureza ou da insanidade de determinados atos do abuso do poder. 
Não é fácil compreender as situações terríveis como as que se têm conhecimento todos os dias. Por quê? Onde está Deus? são as questões duras que vêm à mente de todos os que vivem a vida de maneira simples e correta, em especial, na mente daqueles que ainda não sustentam a sua vida pela fé. 
Na falta de respostas para tanto acontecimentos chocantes credita-se, então, uma parcela de culpa a Deus pelos contratempos, tal como se Ele nem se importasse com tamanhas dores dos seres humanos. 
Parece até que Ele não ouve as súplicas diante das calamidades naturais e nem se dá conta das mazelas provocadas pelos poderosos, deixando que escapem ilesos de suas maracutaias. 
É horrível e errado achar que Deus castiga a todos deixando acontecerem essas malvadezas, pelo simples fato de que todos, bons ou ruins são, por herança, Filhos do mesmo Deus! 
O questionamento revoltado sobre a permissão de Deus sobre esses assuntos graves ocorre pela própria limitação de se compreender plenamente esse mistério de que Deus é um pai e de que Ele próprio participa da fragilidade humana, não castigando, mas educando através da agonia expurgada pela Natureza e ensinando modos corretos de vida através de sofrimentos causados, na maioria das vezes, pelo próprio homem, pela  inconsequência e ganância no agir. 
Não é fácil entender que, ao final, pelas consequências boas ou más oriundas da ação do homem, Deus também opera milagres que acabam sendo causa de alegria e regozijo.
Tão incrível isso porque esse Deus maravilhoso 'age em tudo por meio de todos' e transforma todos por meio de tudo! 
Antes de acusar Deus, portanto, cada um deve tomar consciência do mal causado em suas ações de depredação da Natureza e da consequência dos seus atos de puro egoísmo ao tratar com assuntos que dizem respeito ao bem comum, para evitar um ciclo vicioso de tudo aquilo que repudiam como mal a partir dos outros. 
Aos mais simples de coração e que já percorrem um processo de espiritualização é mais simples compreender que Deus educa para a vida, utilizando o sofrimento como uma escola para se aprender a justiça, conquistar a retidão de vida e de se tornar construtor de uma cultura mais apurada. 
J. R. Rubens