terça-feira, 24 de dezembro de 2013

ESPÍRITO DE NATAL



   Um velho dito popular diz que "uma só andorinha não faz o verão"! O mesmo não se pode dizer sobre o Espírito de Natal: o Espírito Natalino é como um vento que sopra e chega a todos, dependendo de cada um abrir suas portas para acolher.
   O verdadeiro Natal, encerra todo um aspecto espiritual e simbólico do grande Amor de Deus para com todos, que se encarna em nossa frágil humanidade para reconstruir todo um caminho de volta para o lugar de onde pertencemos.
   Antes disso foi preciso que Ele encarnasse como todo ser vivente e vivesse toda a experiência que cada ser humano experimenta.
   O Natal não se limita somente aos aspectos materiais e comerciais impostos, pois a sensibilidade e o amor que todos sentem vontade em partilhar neste dia não dependem, nem um pouco, do ato de dar presentes, mas  das atitudes solidárias e fraternas que todos podem ofertar àquele que lhe estiver mais próximo.
Assim, não haverá sentido encontrar número tão grande de pessoas reclamando que o Natal desses tempos está mais triste.
Essa falsa visão pode vir a partir de pessoas desencantadas com as situações, com os relacionamentos, com a falta de recursos financeiros adequados, enfim, desencantadas com a vida.
E tudo isso, com certeza, não se associa ao verdadeiro Espírito de Natal que é a graça do Deus entre todos nós. Do Deus que é de paz e de prosperidade.
Quem não acolhe essa presença de Deus cotidianamente em sua vida, em sua casa, com certeza, não será capaz de abrir mão de tantas coisas pequenas, resumidas em preocupações banais do somente ter e possuir.
Que o Menino Deus esteja presente em cada moradia, em meio a cada família neste imenso mundo a perder de vista, no coração de cada pessoa esteja onde estiver. 
Que o Menino Deus, em especial, esteja com cada um dos milhares de leitores que acessam esse Blog ao longo do ano.
Nos unamos, em espírito, eu, você e e cada um, ao estilo de um grande instrumental elevando cânticos de agradecimento por tudo o que o Senhor Deus aprouve nos ofertar como presente, sobretudo o maravilhoso dom da VIDA!!!! Amém!
FELIZ E SANTO NATAL!!!!
PRÓSPERO ANO NOVO!!!!
BOAS FESTAS!!!
J. Rubens Alves


domingo, 22 de dezembro de 2013

PEQUENAS COISAS

É maravilhoso professar o amor pela vida,  manifestando a alegria por tudo o que ela oferece. 
Se vivemos é porque fomos escolhidos para receber esse dom supremo. 
Assim, é necessário viver com intensidade e temperança porque  tudo o que a vida proporciona é bom, desde que tudo seja vivido com equilíbrio e bom senso.
Essa demonstração amorosa pela vida poderá ser prejudicial se o ser humano cair na tentação de apegar-se a tudo o que existe de bom, a todos esses detalhes maravilhosos da vida, desejando que tudo continue indefinidamente, sem compreender que, em algum momento, haverá um termo a essa aventura. Afinal, não há como querendo evitar o inevitável.
A ingenuidade de viver tudo o que a vida oferece, como se não existisse nada além dessa dimensão material, torna o ser humano egoísta e pequeno demais, vulnerável diante de outras realidades que compõem a existência, como por exemplo, o estar frente a frente com o fim da vida e do mundo.

Quando se faz menção a essas duas realidades, morte e fim de mundo, mesmo em forma de boatos ou de previsões escatológicas, as pessoas apegadas demasiadamente aos bens materiais e às delícias maravilhosas da existência se sentem desnorteadas e sem sustentação.
Deixar-se envolver por essa ingenuidade, de que nada nesta vida é passageiro, é prejudicial. 
Enganar-se nesse pensamento certamente é permitir-se afogar ainda nesta vida, perdendo-se nela própria.
É fazer da própria vida uma morte prematura, mesmo que seja uma “pequenina morte” ao se angustiar pelo porvir desconhecido, ou buscando alternativas de se safar do inevitável fim.
Viver plenamente, através das pequenas e renovadas experiências que simplesmente acontecem porque devem acontecer, conduzem o ser humano à sensação de paz e felicidade.
Muitos perdem a vida, seu sentido e sua felicidade correndo atrás de coisas grandiosas, enquanto a sabedoria indica que nas pequenas coisas é que se ganha plenamente vida!
J. Rubens Alves