sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

RAINHAS DO FUBÁ


Em uma passagem bíblica do Livro dos Reis, nos deparamos com a narrativa sobre a Rainha de Sabá, que se eternizou pela doçura de suas palavras e por sua capacidade em aceitar situações, ao procurar o então Rei Salomão, conhecido pela sua tão incomparável sabedoria.
Esse texto (1Rs 10,1-10), narra que a Rainha de Sabá viajou muitos quilômetros até o Rei Salomão, levando grande quantidade de pedras preciosas, ouro e perfumes.
Ela era generosa e reconhecida em suas terras por sua imensurável generosidade. Por onde passava, ela deixava sempre um rastro de perfume e semeava pedras preciosas entre seu povo. De sua boca não se ouviam palavras que disseminassem intrigas, discórdias e desunião.
Assim, atraída pela notícia da sabedoria de Salomão, levou consigo muitos enigmas para que o Rei a esclarecesse a respeito e a deixasse mais sábia.
Maravilhada com a sabedoria que exalava do Rei sobre todos os assuntos de seu reino e sobre as coisas de Deus, bendisse aquele reino, aquela gente e aquele Deus.
Doou, por isso generosa quantidade de perfumes ao Rei e, da mesma forma, deixou ali uma semeadura de ouro e pedras preciosas. Esse fato a deixou conhecida ao longo desses milhares de anos, até aos nossos tempos.
Infelizmente em nosso tempo não conhecemos mais Rainhas de Sabá, mas somos obrigados a conviver com as “rainhas do fubá”, (fazendo um trocadilho com o nome da Rainha original), título que vale tanto para mulheres como para muitos homens que são, ao contrário dessa magnífica Rainha bíblica, reais maledicentes, que gozam em semear em seu meio, a partir de sua família e de seus próximos o pré julgamento, a discórdia, a desunião.
Suas vidas se prestam apenas para ações e palavras impensadas, como pedras de sofrimento sem brilho e valor, que exalam não o perfume, mas o odor da podridão que saem de seus corações frios do amor de Deus.
“O que torna impuro o homem não é o que entra nele vindo de fora, mas o que sai de seu interior” (Mc 14,15)
Suas opiniões são frias e calculistas, terrivelmente materialistas, e visam tão somente à comodidade de seus próprios interesses e de resultados financeiros que advenham de suas vãs palavras.
São incapazes de bendizer as pessoas que fazem parte de suas vidas, os momentos bons dos outros simplesmente porque, no fundo, são terrivelmente egoístas e invejosos.
Se as coisas não são como desejam, então nada está bom, nada está certo e soltam indiscriminadamente o verbo, a língua, como um chicote nas costas dos outros.
A cada dia, o nosso mundo está conhecendo mais esse tipo de gente, que mesmo tentando camuflar suas ações como de boa vontade, se traem pelo seu egoísmo, valendo imperar aquele velho ditado libanês: ‘a língua é o chicote do rabo’.
E, só para esclarecer, fubá, sem outros ingredientes, é apenas seco, não acrescenta, só enche e entala na garganta! Deus nos livre de tais línguas!
J. Rubens Alves

2 comentários:

Anônimo disse...

Eu conheço várias rainhas do fubá.... Alguns reis também!!

Anônimo disse...

Ótimo! Tem sempre um desses "fubás " por perto né !?!? Rs abraço
Samantha