sábado, 25 de fevereiro de 2012

P, M, G: PONTO FINAL



Essas letrinhas, tão utilizadas na linguagem escrita servem, também, como marcações para identificar a grade certa para roupas, utensílios, peças e outros objetos.
Através delas, se identificam com facilidade as medidas e tamanhos dos pacotes de gêneros alimentícios, sucos e refrigerantes, de frutas selecionadas.
Muitos preços dos serviços prestados, da mesma forma, são estabelecidos com base em gabaritos de medida, em especial aqueles destinados aos automóveis grandes, médios e pequenos.
Ah os livros. Os livros, muitos os escolhem pelos efeitos artísticos de capa, pelo seu tamanho e grossura, não pelo seu conteúdo.
Aliás, tudo ao redor de nossas vidas está sendo quantificado e medido, algumas vezes em detrimento da qualidade e do reconhecimento. E desculpem, mas até mesmo a sexualidade passou a ser medida em seus atributos, tal como aí está. As maiores taras se resultam desse tratamento vulgar, instigado pelas novelas e filmes.
De maneira geral, o ser humano se acostumou com tudo isso porque, mesmo os seus dons e qualidades, são medidas quando disponibilizados ao trabalho em troca de salário.
Todo esse dimensionamento das coisas é bom e necessário pela facilidade que proporcionam às escolhas e opções e, evidentemente, não há receita que dê certo sem as medidas corretas para cada ingrediente.
Nessa mentalidade, onde tudo tem que ser medido para ser avaliado, será que há espaço de se aceitar que um indivíduo seja meio bom, ou só um pouco mal? A sociedade, apesar de se defrontar com crimes aparentemente mais ou menos hediondos, pode aceitar que crimes sejam encarados como pequenos, médios ou grandes?
É isso, entretanto, que vem acontecendo: imprensa, apresentadores âncoras de programas vulgares de televisão, improvisados ‘doutores’ no direito chocam a urbe com suas teorias e palavras mal colocadas para qualificar delitos e crimes por tamanho e grau, deixando transparecer que uns são passíveis de punição e outros não.
Certo dia, um apresentador desses programas vespertinos marcados pelo sangue e sofrimento, inadvertidamente ao comentar um pequeno furto, expôs que aquele delito perto de outros, não devia nem ser considerado pela justiça. Este apresentador errou, pois crime é crime, não importa o tamanho ou a idade de quem o cometeu. Não existe meio roubo, meio estupro, meio homicídio, meia corrupção ou meia usura. Não se deve diminuir a responsabilidade de omissão dos responsáveis sobre crimes e delitos cometidos por seus dependentes menores. Os crimes não devem ser minimizados diante do poder econômico de quem os comete. A punição deve ser equânime tanto para os baderneiros milionários como, para os miseráveis vândalos carnavalescos.
Outra visão. Como você se sente ao pagar sua conta no supermercado, e a operadora de caixa não lhe devolver os três ou quatro centavos de troco, sem ao menos lhe perguntar se você se importa ou não em deixá-los ali, como sobra de caixa? Você não diz nada, não discorda?
Ora, não importa o valor, sejam quatro centavos ou um milhão, estes são sua propriedade e seu direito e os centavos só podem ser usurpados com seu consentimento.
Assim, é tempo de se resgatar a ordem das coisas sendo delatores e combatentes dessa onda de relativismo que vem afogando a ética e os costumes.
É verdade: nosso País possui leis de primeiro mundo para um povo de mentalidade subdesenvolvida. Nem por isso, contudo, em lugar algum do mundo, se pode admitir o “ser meio bom” ou “o ser meio mal”. As pessoas inteligentes e de boa índole que desejam assim continuar, não podem ser coniventes com as tendências relativistas do tratar o bem e o mal de maneira leviana, onde até os crimes contra a sociedade passam a ser tolerados e caracterizados de pequenos, médios e grandes.
A mudança deve começar com a compreensão básica: crime é crime, delito é delito.
Enfim, bem é Bem, mal é Mal. E ponto final!
J. Rubens Alves

Um comentário:

Anônimo disse...

Com absoluta certeza, a medida ao se apreciar o bem e o mal reside na consciência de cada um. Dificílimo, entretanto, é identificar a medida da consciência de cada um. Nisto se resume a diversidade de toda a humanidade. Pugnar pelos valores mais elevados é certamente a nossa luta a cada passo.
Paulo